TI tem papel fundamental nos resultados de saúde dos colaboradores do Hospital Oswaldo Cruz

Unir e analisar uma série de informações do colaborador que possa gerar indicadores referente a sua saúde e bem estar é o desafio premente de qualquer empresa interessada no capital humano. E, para isso, além do plano estratégico, a tecnologia é peça fundamental.

Com mais de 12 anos no mercado, a GST – Gesto Saúde e Tecnologia identificou essa necessidade e desenvolveu de forma gradual o software de business intelligence (BI) Gesto Inteligente, colocado no mercado em 2010, e atual carro chefe da companhia, que recebeu no ano passado investimento do fundo DGF.
O momento do lançamento foi congruente com o amadurecimento do RH, como conta a fundadora e diretora executiva da GST, Fabiana Salles. “Percebeu-se que eram necessárias ações mais efetivas para medir o custo com o incremento da saúde e o ROI (retorno sobre o investimento)”, disse Fabiana durante bate papo com o Saúde Web.
A partir da clareza de que alguém só cuida do outro quando recebe ao mesmo tempo cuidado é que o Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC) encontrou a solução da GST para aprimorar suas decisões em prol da saúde da corporação. Há um ano em funcionamento, o BI garantiu com que o hospital mantivesse o controle dos dados “dentro de casa”.
“Hoje conseguimos analisar em uma única plataforma as contas médicas, quais são os usuários que mais utilizam o plano, índice de absenteísmo, o tipo de cargo que mais falta, quais departamentos que mais participam do programa de bem estar, da promoção à saúde”, explicou Rodrigo Bornhausen Demarch, Gerente de Qualidade de Vida e Saúde do HAOC.
A solução da GST veio como parte integrante de um conjunto de iniciativas e investimentos na saúde da população do hospital que hoje contabiliza 2.300 pessoas em quatro unidades em São Paulo. Desde 2007, o HAOC conta com o Centro de Atenção à Saúde do Colaborador (CASC), que oferece:
  • Aspecto clínico e de urgência
  • Acompanhamento periódico com avaliação de saúde e nutricional
  • Orientação fisioterápica
  • Imunização
  • Assistência social
  • Monitoramento de doenças crônicas como diabetes, hipertensão.
O hospital aplica também, desde 2010, questionários online sobre hábitos de vida através de uma metodologia de avaliação do bem estar, proveniente de uma parceria com a Universidade de Stanford.
A sinistralidade atual do Oswaldo Cruz, segundo Demarch, tem se mantido abaixo do ponto de equilíbrio e, nos últimos 24 meses, não houve reajuste do plano de saúde, que contabiliza um gasto de R$ 15 milhões por ano à instituição.
Outros resultados são mais difíceis de serem mensurados, mas são perceptíveis, como é o caso da melhora do clima organizacional. Além disso, o gerente conta que, em 2010, a academia do hospital tinham 100 pessoas matriculadas e o número hoje chega a 700.
“Temos observado a relação do exercício físico com o menor número de afastamento por doenças musculoesqueléticas por exemplo”.

Além de proporcionar independência em relação ao trabalho da corretora [executivo preferiu não abrir o nome], o HAOC passou a entender e executar sua gestão populacional – aprendizado considerado pelo executivo como fundamental para o objetivo de comercializar essa expertise para fora de casa.

Fato este já concretizado e batizado como Saúde sob Medida, que contempla serviços como:
  • Consultorias para programas de promoção à saúde na corporação;
  • Medicina preventiva e gerenciamento de doenças crônicas, com a possibilidade de uso fruto da infraestrutura do hospital para exames;
  • Serviços de saúde ocupacional.
Para Fabiana, da GST, a solução possibilita uma aproximação entre o prestador e a operadora e um maior domínio sobre as contas médicas e eventuais reajustes. O alvo da GST de negociação são os RHs das empresas e, no caso das operadoras, as autogestões, já que por serem sem fins lucrativos têm um maior interesse em compartilhar os dados.
A importância dos sistemas de TI para a saúde e a forma que eles veem revolucionando o cuidado é o grande assunto do momento, mas, para Fabiana, ainda há muita propaganda e pouca resolutividade. “Há dois anos, muitas corretoras e consultorias surgiram dizendo que faziam o que fazemos, mas hoje encontramos um mercado desiludido”, ressalta.
Rodrigo Demarch, do HAOC: “A ideia é oferecer ao gestor uma gestão mais precisa do ponto de vista do RH e um instrumento de sensibilização”
Fonte: http://saudeweb.com.br/43542/oswaldo-cruz-comercializa-gestao-de-saude-corporativa/  
Cadastre seu e-mail e receba nossos textos!